Melanoma Cutâneo: Perfil Epidemiológico dos Óbitos no Estado de São Paulo - Brasil entre 2005 e 2014

Veridiana de Paula Santos Miranda, Flávia Regina Ferreira, Andrea Paula Peneluppi de Medeiros

Resumo


Introdução: O melanoma cutâneo (MC) é o cancro de pele menos frequente, porém, responsável pela maioria dos óbitos. Este estudo teve como objetivo avaliar o perfil epidemiológico dos óbitos por MC no Estado de São Paulo, bem como avaliar os fatores que podem determinar a sua ocorrência segundo o sexo.

Métodos: Foram estudados dados relativos à mortalidade por MC no Estado de São Paulo-Brasil entre 2005 e 2014. Foram realizadas análises descritivas e regressão logística univariada e multivariada para determinar a probabilidade de óbito quanto ao sexo segundo variáveis demográficas. A análise estatística baseou-se no cálculo da OR. Em todas as análises foram considerados intervalos de confiança de 95% e adotado nível de significância de alfa= 5%.

Resultados: Os 4059 óbitos por MC no período representaram 0,9% da mortalidade geral por neoplasia. Destes, 56,7% referiam-se ao sexo masculino e 92,4% à raça branca. A idade média no momento do óbito foi 63,5 anos (DP=16,3). Na regressão logística multivariada, a ausência de parceiro e o maior nível de escolaridade mostraram- -se fatores discordantes entre os sexos.

Conclusão: Este estudo permitiu avaliar o perfil epidemiológico dos óbitos por melanoma, sendo possível identificar o predomínio de indivíduos do sexo masculino, da raça branca, com parceiros (as), com baixa escolaridade e uma tendência ao aumento do número de óbitos nos últimos 5 anos do período estudado. Além disso, pôde-se verificar diferenças nos fatores de risco relacionadas ao sexo dos indivíduos.


Palavras-chave


Brasil; Melanoma/epidemiologia; Melanoma/mortalidade; Neoplasias da Pele/epidemiologia; Neoplasias da Pele/mortalidade.

Texto Completo:

PDF

Referências


Shain AH, Yeh I, Kovalyshyn I, Sriharan A, Talevich E, Gagnon

A, et al. The genetic evolution of melanoma from precursor

lesions. New Engl J Med. 2015; 373: 1926-36.

doi: 10.1056/NEJMoa1502583.

World Health Organization. Ultraviolet radiation and

the INTERSUN Programme [Internet]. [acesso em 27 abr

. Disponível em: http://www.who.int/uv/faq/skincancer/

en/index1.html.

Marks R. Epidemiology of melanoma. Clin Exp Dermatol.

; 25: 459-63.

Demográfico, IBGE Censo. "Fundação Seade (Sistema Estadual

de análise de Dados)” [Acesso em maio 2018] Disponível

em: http://www.seade.gov.br/

Bonfá R, Bonamigo RR, Bonfá R, Duro KM, Furian RD, Zelmanowicz

AM. A precocidade diagnóstica do melanoma

cutâneo: uma observação no sul do Brasil. An Bras Dermatol.

; 86:215-21.

Whiteman DC, Green AC, Olsen CM. The growing burden

of invasive melanoma: projections of incidence rates

and numbers of new cases in six susceptible populations

through 2031. J Investig Dermatol. 2016 ; 136:1161-71.

doi: 10.1016/j.jid.2016.01.035.

Coory M, Baade P, Aitken J, Smithers M, McLeod GR, Ring

I. Trends for in situ and invasive melanoma in Queensland,

Australia, 1982–2002. Cancer Causes Control.

; 17:21-7.

Karimkhani C, Green AC, Nijsten T, Weinstock MA, Dellavalle

RP, Naghavi, M,et al. The global burden of melanoma:

results from the Global Burden of Disease Study

Br J Dermatol. 2017; 177: 134-40.

Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da

Silva [homepage na internet]. Tipos de Câncer: Pele: Melanoma.

[acesso em 22/03/2018]. Disponível em: http://

www2.inca.gov.br

Ferreira FR, Nascimento LF. Mortality due to cutaneous

melanoma in south region of Brazil: a spatial approach.

An Bras Dermatol. 2016; 91:437-41.

Ferrari Júnior NM, Muller H, Ribeiro M, Maia M, Sanches

Júnior JA. Cutaneous melanoma: descriptive epidemiological

study. Sao Paulo Med J. 2008; 126:41-7.

Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Estatísticas

Vitais. [Acesso em mar 2018] Disponível em:

http://www.datasus.gov.br

Stata Corporation. Statistical software for professionals/

STATA [programa de computador]. Versão 9. Texas: College

Station; 2005.

Tuong, William, Lily S. Cheng, and April W. Armstrong.

"Melanoma: epidemiology, diagnosis, treatment, and outcomes."

Dermatol Clin. 2012; 30: 113-24.

Leiter U, Garbe C. Epidemiology of melanoma and

nonmelanoma skin cancer-the role of sunlight. Adv Exp

Med Biol. 2008; 624:89-103. doi: 10.1007/978-0-387-

-6_8.

Nikolaou V, Stratigos AJ. Emerging trends in the epidemiology

of melanoma. Br J Dermatol. 2014; 170: 11-9.

Pinto AC, Cavalcante ML, da Silva GV, de Brito FF, Oliveira

AM, Cleto NG. Melanoma maligno: estudo epidemiológico

dos casos diagnosticados em unidade de referência

em dermatologia em Bauru-sp de 2007 a 2014. Surg

Cosmetic Dermatol. 2015; 7: 104-7.

Martins-Costa GM, Bonamigo RR, Menegat AP, Costa LL,

Bonfá R, Grazziotin TC. Melanoma cutâneo primário:

confirmações e novidades. Rev AMRIGS. 2013; 57: 208-

Ferreira FR, Nascimento LF. Mortality due to cutaneous

melanoma in south region of Brazil: a spatial approach.

An Brasil Dermatol. 2016; 91:, 437-41.

Mikkilineni R, Weinstock MA. Epidemiology. In: Sober A,

Haluska F, editors. Skin cancer. London: BC Decker; 2001.

p. 1-15.

Cormier JN, Xing Y, Ding M, Lee JE, Mansfield PF, Gershenwald

JE, et al. Ethnic differences among patients with

cutaneous melanoma. Arch Intern Med. 2006; 166:1907-

doi: 10.1001/archinte.166.17.1907.

Hu S, Parmet Y, Allen G, Parker DF, Ma F, Rouhani P, et al.

Disparity in melanoma: a trend analysis of melanoma incidence

and stage at diagnosis among whites, Hispanics,

and blacks in Florida. Arch Dermatol. 2009;145:1369-

doi: 10.1001/archdermatol.2009.302.

Maia M, Basso M. Quem descobre o melanoma cutâneo?

An Bras Dermatol. 2006;81:244-8.

Mackie RM, Hole DJ. Incidence and thickness of primary

tumours and survival of patients with cutaneous malignant

melanoma in relation to socioeconomic status. BMJ.

;312:1125-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.29021/spdv.76.4.923

Apontadores

  • Não há apontadores.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.