Projecto Angolano de Formação e Desenvolvimento da Dermatologia: Avanços e Desafios

Lídia P. de Almeida Voumard

Resumo


Introdução: Apesar do fardo e das repercussões físicas, psicológicas e sociais que as doenças da pele representam, o desenvolvimento da Dermatologia e a formação de técnicos nessa disciplina defrontam em Angola sérios desafios, com repercussões no acesso e na qualidade dos serviços e cuidados prestados a população.

Metodologia: Foi realizado um estudo retrospectivo do Projecto de Formação e Desenvolvimento da Dermatologia, iniciado em 2010 com o apoio do Ministério da Saúde e do Colégio Angolano de Dermatologia e Venereologia (CADV). O projecto tem por objectivo a formação de mais dermatologistas e de aumentar o acesso dos doentes a Serviços de referência. São apresentados dados sobre a formação dos internos, bem como outros ganhos e limitações do Projecto.

Resultados: Até 2013, o internato médico complementar em Dermatologia estava reservado apenas a um Serviço de Dermatologia em Luanda, tendo formado oito dermatologistas desde 1975. Em 2013, cinco novos Serviços Regionais, abertos em Cabinda, Malange, Huambo, Benguela e Huíla, iniciaram a formação de especialistas, aumentando em 2017 a 26 o número total de internos em formação.

Conclusão: No contexto de Angola, a descentralização dos serviços clínicos de formação, a afinação periódica do programa de pós-graduação e a promoção activa de atitudes e actividades de pesquisa são elementos chave no desenvolvimento da Dermatologia e na prestação de serviços de referência mais próximos das populações.


Palavras-chave


Angola; Dermatologia/educação

Texto Completo:

PDF

Referências


Gomes TM, Miranda Soares de Moura A T, Cavalcanti

de Aguiar A. Dermatologia na Atenção Primária: um

Desafio para a Formação e Prática Médica. Rev Brasil

Edu Méd. 2012; 36: 125-8.

Pitché P, Tchangai-Walla K. La dermatologie en Afrique

Noire, quelles perspectives pour le 21e siècle ? Nouv

Dermatol. 2000; 19: 44-8.

Pereira A. O. Contribuição ao estudo do perfil nosológico

das consultas ambulatórias nos centros de saúde em

Luanda. Luanda: Faculdade de Medicina da Universidade

Agostinho Neto; 2009.

Fortes F. Doenças Tropicais Negligenciadas em Angola e

a Dermatologia. Comunicação no 1º simpósio nacional

de Dermatologia, Luanda, 2015.

Hay R, Estrada R, Grossmann H. Managing skin disease

in resource-poor environments – the role of community-

-oriented training and control programs. Int J Dermatol.

; 50: 558–63.

Nkabinde TC, Ross A, Reid S, Nkwanyana NM. Internship

training adequately prepares South African medical

graduates for community service - with exceptions.

S Afr Med J. 2013; 103:930-4.

Lowell BA, Froehlich CW, Federman DG, Kirsner RS.

Dermatology in primary care: Prevalence and patient

disposition. J Am Acad Dermatol. 2001; 45:250-5.

Beltraminelli H. 2018 Africa. Where do we stand in Dermatopathology

training? Oral communication, 4th African

Dermatology Conference, RDTC Moshi, 2018.

Völker K. Tropenmedizinisch/tropendermatologische

Ausbildung in Tansania und Ghana. Ein Erfahrungsbericht.

Hautarzt. 2015; 66:311 – 319

Regional Dermartology Training Centre [consultado

01.2018] Disponível em:http://rdtc.go.tz/index.html

XLIV Congresso Brasileiro de Dermatologia- Simpósio

sobre Pós-graduação em Dermatologia. An Bras Dermatol.

; 65

Ferreira A V, Fresta M, Simões CF, Do Rosário SM. Desafios

da educação médica e da investigação em saúde

no contexto de Angola. Rev Edu Méd Brasil. 2004; 38:

-41.

Ordem dos Médicos de Angola. Regulamento Geral do

Colégio De Dermatologia e Venereologia de Angola

CADV. Luanda: OMA; 2010.

Projecto de Desenvolvimento da Dermatologia a Nível

Nacional. Luanda: MINSA; 2010.

Voumard A.L. Estudo comparativo da formação pré e

pós-graduada em Dermatologia no Pequim First University

Hospital e na FMUAN. 2004.

Decreto Presidencial No 17/04 de 31 de Maio sobre o

internato complementar médico. Diário da República,

Luanda 2004.

Decreto Presidencial No 260/10 de 19 de Novembro

sobre o Regime Jurídico da Gestão Hospitalar. Diário da

República, Luanda 2010.

Decreto Presidencial No 271/11 de 26 de Outubro

sobre o internato complementar médico. Diário da República,

Luanda 2011.

Proposta de Regulamento geral do Interno de Especialidade

no Hospital Américo Boavida, Conselho Directivo

do HAB, Deliberação No 10/CD/HAB/2015.

Proposta de critérios para o reconhecimento da idoneidade

dos hospitais e serviços para realização de internatos

de especialidades. Luanda: MINSA; 2017.

Projecto de Dermatologia: Relatório do 1º Fórum sobre

o Regulamento e Organização dos Serviços de formação

em Dermato-Venereologia em Angola. Luanda:

MINSA; 2013.

Projecto de Dermatologia: Relatório sobre o Acto Central

de Abertura Oficial dos Serviços Regionais de Dermatologia.

Luanda: MINSA; 2013.

Projecto de Dermatologia: Programa do 1º Simpósio

Nacional de Dermatologia e Venereologia, Luanda,

Abril 2015.

Burgin S, Homayounfar G, Newman LR, Sullivan A. Instruction

in teaching and teaching opportunities for residents

in US dermatology programs: results of a national

survey. J Am Acad Dermatol. 2017; 76: 703-6.

Plee J, Barbe C, Richard M-A, Dréno B, Bernard P. Etat

des lieux de la formation des internes en DES de Dermato-

Vénéréologie en France (2005-2010). Ann Dermatol

Vénéréol. 2013; 140: 259-65.

AlGhamadi KM. Current status of Dermatology residency

training in Saudi Arabia: trainee’s perspective. East

Mediterr Health J. 2008; 14: 1185-91.

Alencar Marques S, Amante Miot H, Fernandes Abbade

LP. Produção científica publicada nos Anais Brasileiros

de Dermatologia (2003-2007). An Bras Dermatol.

; 83:555-600.

Figueiredo A. Dermatologia do seculo XXI: que desafios?

Que oportunidades? Comunicação no 1º simpósio

nacional de Dermatologia, Luanda, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.29021/spdv.76.3.957

Apontadores

  • Não há apontadores.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.